Muito além do Cisne Branco

Publicado: fevereiro 9, 2011 em outras

Quem nunca se sentiu obcecada em executar uma tarefa com perfeição, sobretudo diante de uma plateia quase sempre hostil? Quem nunca sentiu ânsia de vomito após ingerir uma quantidade de calorias além da permitida em uma dieta balanceada? Quem nunca olhou para a figura feminina da mãe com certa dose de pudor? Quem nunca teve receio do poder exercido pela figura masculina de um professor, chefe, pai, namorado ou mesmo irmão? Quem nunca se sentiu  assediada, moral ou fisicamente, pela figura masculina de um professor, chefe, pai, namorado ou mesmo irmão? Quem nunca olhou para uma amiga mais bonita com certo misto de interesse e rancor? Quem nunca se sentiu enclausurada pelo mundinho cor-de-rosa das bonecas, caixinhas de música e laços de fita? Quem nunca descontou raiva em seres inanimados porque, de repente (inconscientemente), viu neles o reflexo de sua própria situação? Quem nunca ouviu dizer que era preciso ser forte, não sem antes passar um batom? Quem nunca teve medo de perder a glória junto com a juventude? E quem disse que, para arrancar aplausos da plateia, é preciso sangrar?

Natalie Portman (Nina) no filme Black Swan (Cisne Negro).

Vista suas melhores sapatilhas. Prenda os cabelos bem alto. Conserte a postura. Não desvie o olhar.
Enlouquecer, revoltar-se ou deixar pulsar depende apenas da maneira como você pretende  chegar ao final da coreografia. Aos olhos d@s integrad@s, as duas primeiras se sobressaem como as melhores opções. Já a terceira tem a ver com controlar o cisne negro interior, em prol de uma encenação sem graça da vida. A pergunta é: por quanto tempo? Por quanto tempo o cisne negro ficará adormecido e que mal isso provocará?

Betty Friedan já nos alertou, há quase cinquenta anos, que dele deriva o tal “mal estar que não tem nome”, aquele sentimento de frustração das mulheres com sua harmônica e bem-sucedida vida de boa mãe, boa esposa e boa dona-de-casa (hoje também boa profissional). E que se materializa – já sabemos – em violência sexista, distúrbios alimentares, mortes por abortamentos mal-sucedidos, etc, etc, etc. Antes de atravessar a rua quando vir o cisne negro, vale olhar mais de perto para o reflexo do branco e se perguntar de qual lado da calçada você realmente está.

É sobre isso que o tal do feminismo fala. É sobre isso que o Cisne Negro fala.

E é sobre isso que o Festival Mulheres no Volante 4.0 vai falar.

Anúncios
comentários
  1. Liliane disse:

    Muito bom! Viva ao FEMINISMO!

  2. […] This post was mentioned on Twitter by Lilian Werneck, Mulheres no Volante, Bruna Provazi, Camilla Magalhães, Bruna Provazi and others. Bruna Provazi said: "Muito além do Cisne Branco" -> http://miud.in/nyc […]

  3. Fernanda Halfeld disse:

    òtimo!

  4. Clarice Big Hole disse:

    Muito bom Bu!!!!
    parabéns!

  5. Camila disse:

    Cara, incrível o texto!

  6. Melo Franco disse:

    Achei esse filme um desfile de clichês: só vêm em uma variedade os homens (predadores) e duas variedades as mulheres: a) frígidas e b) promíscuas. Esse filme não é sobre feminismo, é sobre estereótipos de gênero. Nina começa como garota ingênua e termina como femme fatale, dois estereótipos de mulheres de filme pornô.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s